Um amor nem tão doce, mas verdadeiro


Particularmente sou fascinada pelo amor. Mas quem não é? Todo mundo já viveu um amor, vive, ou já sentiu o desejo de viver. Não é a toa que é um sentimento tão popularmente escrito, comentado (e falsificado). É muito fácil amar somente com as palavras. Ditas ou escritas é impossível negar a beleza que muitas delas carregam, o que não comprova a sua veracidade.

Porque o amor é muito mais do que um simples "eu te amo". E disso todo mundo sabe.

Amor requer riscos, atitudes que comprovem-o. Zelo, carinho, preocupação, e até mesmo brigas. Pode crer que se o amor só existe na timeline do facebook, tem alguma coisa errada. Ou simplesmente não tem nada de amor. Confesso que sempre fui uma pessoa extremamente medrosa. Carregava comigo o medo de amar alguém, de ocupar meus pensamentos com outra pessoa e quebrar a cara. Esse medo criou uma muralha enorme em torno de mim. Indestrutível, eu diria. Todavia, como não há coração de pedra que não possa ceder há um doce carinho, aconteceu. Quebrei a cara. Mas quem nunca quebrou? E mais uma vez a muralha cobriu meu campo de visão.

Prometi a mim mesma e ao Deus do céu, só permitir que um cara se aproximasse de mim quando eu tivesse total confiança na relação. Prometi ser teimosa o suficiente para manter os pés no chão e racional para manter o coração em seu estágio normal. Mas meus caros! O amor não nos permite ter os pés no chão! A gente sem querer vai as nuvens e nem percebe. Só nos damos conta quando estamos lá em cima, flutuando sobre algodão. Depois disso vem o desespero, a urgência, a loucura. E foi nisso o que deu. A muralha cedeu mais uma vez, e o coração voltou a bater em desespero. E foi neste tópico aqui que aprendi realmente o que seria o amor. Não o amor dos escritores utópicos, nada de exageradamente romântico, ou irreal. 

Conheci aquele amor sincero. Que nos faz assumir as falhas e nos mostra que muitas vezes precisamos mudar sim. Aquele amor que não é doce o tempo todo, mas que dedica-se para ser o seu melhor. Aquele amor que não é perfeito, que nunca será, porém que sempre tentará ser o primeiro amor da sua vida. Conheci esse amor. E é nesse amor cheio de incógnitas e mistérios que quero me perder todos os dias da minha vida.
ALVES, Ellen.
(Momentos Assim)

0 comentários